Páginas

11 de mai de 2014

Recordações do Escrivão Isaías Caminha

A primeira parte do livro trata de quando o jovem Isaías Caminha decide se transferir para o Rio de Janeiro, deixando sua vida no interior, com intento de trabalhar e estudar.
Mas, uma vez no Rio, acaba se desiludindo ao tomar contato com intrigas e apadrinhamentos. Desalentado, se envolve com más companhias e mostra fragilidade para arrostar a cidade e suas arapucas. Acaba passando fome.


Por fim, consegue ofício num jornal em ascensão. E essa é segunda fase do livro, quando suas reflexões sobre os modos locais, a politicagem e os jogos de interesse se tornam mais explícitas.
Na transição de uma fase, como estudante em busca de posição, para outra, trabalhando no jornal, Isaías Caminha se perde. Ele vinha de uma situação de destaque, embora em escola pequena do interior, mas se adequava ao aprendizado, tinha inclinação à intelectualidade. Não obstante, quando muda para o Rio de Janeiro, e começa a se deparar com obstáculos para obtenção de um emprego, ao invés de aceitar uma posição secundária (o que seria natural para quem busca um primeiro trabalho), acaba por se acomodar. Passa, progressiva e rapidamente, a abandonar as aspirações a uma maior erudição, passa a se contentar em viver de aparências, diante do comportamento dos colegas do jornal. E, assim, foi cooptado por aquela sociedade.
Resta para Isaías Caminha recordar não o que fez, o que atingiu na vida, mas o que deixou de fazer, diante da sensação de quem não se empenhou com todas as forças, que não chegou até onde poderia ter ido pelo trabalho e pelo estudo. A sensação de quem se deixou acomodar, que não seguiu sua vocação.
Em certa passagem do livro, Isaías Caminha conhece uma bela moça, concubina de um político. Posteriormente, ele a vê sendo presa. Reflete sobre o por quê dessa moça ter tal desígnio, sobre quais decisões equivocadas teriam levado a tal infortúnio. Tal reflexão serve para o próprio Isaías. E também para a sociedade brasileira, tanto daquele tempo quanto presentemente. 

REFERÊNCIA:
BARRETO, A. H. de Lima. Recordações do Escrivão Isaías Caminha. Disponível em: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário