Páginas

4 de nov de 2014

2° Fórum Liberdade e Democracia de Vitória-ES


O 2° Fórum Liberdade e Democracia ("Propostas Para um Novo Ciclo") foi caracterizado pela crítica feroz ao Partido dos Trabalhadores (PT), com destaque no posicionamento contrário ao projeto de poder do Foro de São Paulo.
Seguem apontamentos que realizei:

1° Painel: Cenários Políticos Para um Novo Ciclo
Guilherme Fiuza destacou o fenômeno da intolerância por parte de esquerdistas, o que tem verificado pessoalmente. Disse que, recentemente, esteve em duas palestras onde foi interrompido por pessoas protestando e que, mesmo depois de dar palavra a esses indivíduos, não lhe deram o direito de resposta (continuaram berrando durante sua fala).
Fiuza observou que os governos petistas aproveitaram um período de conjuntura internacional favorável, somado às reformas institucionais realizadas no governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC). Esse cenário se mostrou contrário ao movimento de impeachment do presidente Lula, quando estourou o escândalo do "mensalão". Porém, tal conjuntura não se verifica agora, de modo que o atual escândalo do "petrolão" propicia oportunidade para combater as práticas do PT. O cenário econômico negativo, que começa a se delinear, também será um grande problema de sustentação do próximo governo de Dilma Rousseff.
Destacou, ainda, a decisão absurda do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na véspera da eleição presidencial, de proibir a revista Veja de divulgar a capa de sua edição. Disse que o controle da imprensa é algo a ser temido, pois trata-se de um plano antigo do PT.
Marcelo Madureira enfatizou as perspectivas ruins do cenário econômico e o caráter anti-democrático do PT - "O PT faz da mentira a prática política". Por isso, ele aposta num ciclo de acirramento das divisões, como se verifica nos discursos separatistas.

2° Painel: Vinte Anos do Plano Real - Passado, Presente e Futuro
O economista Claudio Porto destacou que o Produto Interno Bruto (PIB), na média dos últimos 4 anos, apresenta crescimento de apenas 1,6%. E as perspectivas para 2015 não são boas, com queda nos preços de itens comercializados pelo Brasil e aumento nos juros americanos. Por isso, dentre os cenários possíveis, não se deve descartar a possibilidade de "argentinização" do país.
Rodrigo Constantino disse que, ao contrário da justificativa governamental, não existe uma crise econômica internacional afetando o Brasil. A crise foi restrita a países desenvolvidos (por isso Dilma fez comparação com a Alemanha na campanha política) e chegou mesmo a favorecer os países emergentes. Além disso, o período de governo do PT foi beneficiado pelas mudanças institucionais do governo FHC, pelo bônus demográfico e pelo crescimento da China. Porém, fazendo uso de uma política econômica inadequada, com ênfase no consumo e aspectos ideológicos, o governo perdeu uma janela de oportunidade. Vivemos um período de prosperidade ilusória e, agora, começamos a pagar essa conta em um cenário de falta de competitividade, com péssima infraestrutura, necessidade de reformas legais, mão de obra desqualificada etc.
Constantino espera que os próximos 4 anos sejam marcados pela mesma política econômica ou pior (simbiose entre Estado, sindicatos e alguns grandes empresários). Por outro lado, tem verificado o surgimento de um movimento de oposição, inclusive na juventude, e acredita que a insatisfação com a economia deverá aumentar o antagonismo contra o PT.
Hélio Beltrão observou que o governo vem manipulando os índices de inflação e não respeita mais o sistema de metas. Porém, destacou que essa situação caracteriza a dependência da burocracia estatal, fato comum nas sociedades modernas. A solução seria diminuir a interferência do Estado sobre a sociedade. Nesse sentido, destacou que crises econômicas têm sido constantes, principalmente desde quando o padrão ouro foi abandonado pelos Estados Unidos em 1971, de modo que defende mudanças graduais para redução do poder do Banco Central (e, no limite, sua própria extinção - não se trata de discussão entre autonomia ou independência, como enfatizado na campanha política).
Por fim, Beltrão observou que o Brasil apresenta um cenário institucional muito complexo, o que dificultaria a implantação do sistema bolivariano desejado pelo governo.

3° Painel: Política Externa Brasileira e a Relação Com a América Latina
O senador boliviano refugiado Roger Pinto Molina, oposicionista ao governo de Evo Morales, foi resgatado em 2013 numa operação que contou com participação do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) e do diplomata brasileiro Eduardo Saboia (que não pôde comparecer ao fórum).
Roger Molina disse que 20% da economia da Bolívia está calcada no plantio da coca, que por sua vez é controlado por um grupo ligado ao governo. A produção é muito maior que a necessária para o consumo local (hábito de mascar folha de coca), de modo que há ligação direta com o narcotráfico internacional.
Molina informou que a operação de estatização dos ativos da Petrobras na Bolívia, em 2006, foi tomada por Evo Morales após consulta a Hugo Chávez e Fidel Castro - o que destaca a existência de um poder supranacional na América Latina.
Alertou que, na Bolívia, eles não se deram conta do processo de tomada do poder pelo bolivarianismo. Quando perceberam, tudo já estava aparelhado. Por isso, ele vê que o Brasil tem uma vantagem, pois esse processo está sendo percebido com maior antecedência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário