Páginas

30 de jan de 2012

O Método Self-Service de Seleção de Pessoal

Uma das situações mais subjetivas no gerenciamento de uma empresa é a seleção de pessoal, mais especialmente ainda no caso de pessoal para trabalho qualificado.
Para contornar esse problema, já foram inventados os métodos mais esdrúxulos para avaliação dos candidatos. São as mais variadas e estranhas formas de seleção, como segurar um palito de fósforo aceso enquanto relata a própria experiência, fazer desenho sem se tratar de seleção para cargo de desenhista, questões de raciocínio lógico sem lógica, e por aí vai.
Um dos exemplos que mais me espantou foi no programa "O Aprendiz", onde uma fase de seleção era aplicada na escola de negócios que estudei. Os candidatos eram expostos a certos desafios de inteligência onde, no final, um cara perdeu porque falhou num teste em que era necessário segurar uma laranja em cada mão e dizer qual era a mais pesada! Seria alguma especialização em puxa-saquismo? Acabou "demitido".
Refletindo a respeito e observando a realidade, desenvolvi um método simples e eficaz para avaliação de candidatos. Trata-se do Método Self-Service de Seleção de Pessoal. Consiste no seguinte:
1. Primeiramente, selecione os curriculuns que estejam mais de acordo com a vaga disponível, conforme o que se procura em termos de experiência, qualificação, etc. E analise se o curriculum foi elaborado de forma adequada, pois curriculum mal feito já é um péssimo sinal. Até agora, nada demais.
2. Com essa avaliação básica, você será capaz de selecionar de 3 a 5 candidatos de potencial.
3. Entre em contato com esses candidatos e marque entrevista individual em horário próximo ao de almoço. Mas não próximo demais, para ter certeza que a pessoa não irá almoçar antes.
4. Na hora da entrevista, fique conversando sobre trivialidades. Algum assunto que lhe agrade, tipo música, filmes, futebol... Só pra saber se o candidato, pelo menos, é capaz de se expressar de forma coerente, se não fala demais, nem rápido ou lento demais, se não tem voz estridente que causa dor de cabeça em quem ouve, se tem bafo, esse tipo de coisa. É possível que, aqui, você acabe eliminando 1 ou 2 candidatos. Nesse caso, para não fazer desfeita, nem deixar uma falsa impressão de avaliação feita "nas coxas", dê um teste escrito tradicional para o candidato fazer. Depois que ele for embora jogue no lixo e outro dia mande um e-mail agradecendo e informando que selecionou outra pessoa.
5. Caso o candidato sobreviva à entrevista, subitamente diga, com a mão acariciando a barriga: "Nossa, estou com tanta fome... Vamos continuar a entrevista no self-service aqui perto?". Se o candidato recusar, o que é improvável, já era. Está reprovado. Use o truque do teste escrito acima, para livra-se dele.
6. Chegando no self-service, preste muita atenção no candidato. Essa é a fase decisiva da seleção. Observe se ele é muito lento ao preparar o prato, se é indeciso, se fica atrapalhando a fila e a passagem dos outros comensais, se vai e volta ao longo da mesa para se servir, se fica falando sobre a comida... Enfim, se você tem o hábito de comer em restaurantes self-service vai entender perfeitamente o que estou dizendo.
7. Se o candidato passar incólume por mais esse teste, coma em silêncio, pague sua conta e vá embora calado. Ligue depois confirmando a contratação. Nunca pague o almoço do candidato e, se ele se oferecer para pagar o seu, considere a eliminação - trata-se de um puxa-saco. Nesse caso, encaminhe para algum gerente de RH amigo seu que goste de fazer o teste de seleção de segurar laranjas (ou bolas) nas mãos para sentir o peso.
8. Porém, se você observar que o candidato possui um ou mais dos hábitos odiosos relatados no ponto 6, avalie a gravidade e decida firmemente pela desclassificação. Coma em silêncio, levante-se de abrupto e, antes de ir embora, diga em alto e bom tom: "Quem muito escolhe, pouco come!".

Nenhum comentário:

Postar um comentário